Caros colegas.

Encontramos diversos sites que utilizaram nosso texto para complementar suas orientações de atividades físicas no período do inverno (Cinco motivos para não fugir da atividade física no inverno). Ficamos muito felizes e gratos com a utilização desse texto.

Entretanto, salientamos da importância de inserir a fonte original de todos os artigos deste site ou qualquer outra fonte de pesquisa que utilizarem, citando o autor original e sempre que possível, o link para o texto original, valorizando desta forma, todos aqueles que sentaram e pesquisaram muito para produzir algo útil que pode ser retransmitido por tantos outros colegas, como demonstração cavalheira de valorização do esforço e do trabalho empregado para reunir todas essas infomações e divulgá-las publicamente.

Me sinto muito honrado e feliz em ver que meu texto foi publicado em outros sites, e servirá de norte tanto para profissionais quanto para usuários dos sistemas de academias ou instituições de saúde, mas reforço a importância de todos nós, profissionais ou não, citarmos de onde provém cada trecho que retiramos de outra fonte.

Sucesso aos colegas e aos interessados na busca dos pilares do conhecimento.

Conto com a compreensão de todos para criarmos uma corrente positiva de difusão de conhecimento original.

Cinco motivos para não fugir da atividade física no inverno – ARTIGO CITADO NOS SITES:

http://academiacompanhiadocorpo.com/noticias/noticia.asp?id=1180

http://academiasplash.blogspot.com/2009_06_01_archive.html

http://studioleattivita.blogspot.com/2009/06/cinco-motivos-para-nao-fugir-da.html

http://www.scribd.com/doc/13269291/pesquisa-de-Escola

http://www.fitnessfriends.com.br/mostra_noticia.asp?id=236

http://academiaespacofitnessxxe.blogspot.com/2010/03/cinco-motivos-para-nao-fugir-da.html

http://www.movingerechim.com.br/frames/botao11.html

http://twitter.com/estacaofit - 13 maio 2010

                    Seja no ambiente familiar, social ou no trabalho, é possível que ocorram sinistros, na forma de traumas ou emergências clínicas diversos, os quais podem exigir uma pronta ação de quem estiver presente no momento em que acontecer, a fim de reverter um possível quadro maligno à integridade física ou a vida, de si mesmo ou em prol de um indivíduo. Para tal, é condição básica obter capacitação adequada para prestar esse tipo de atendimento, enquanto é aguardada a chegada da equipe especializada.

                    Durante o tempo em que o indivíduo estiver sobre responsabilidade do agente que ofereceu o suporte inicial a uma vítima, seu conhecimento em primeiros socorros possibilitará identificar no sinistrado, primeiramente, seu nível de consciência, necessidade de realização de manobras simples, porém, cuidadosas, de abertura de vias aéreas, ventilação ou manobras de ressuscitação cardiopulmonar, bem como estancamentos de hemorragias e imobilizações de membros fraturados, ou com suspeitas de lesões articulares. Tudo isso está incorporado numa ordenada expressão, comumente chamada pelos profissionais de saúde e emergencistas pré-hospitalares de “ABC da vida” (air; breath; circulation – vias aéreas, respiração e circulação sanguínea). Todas essas noções podem ser aprendidas por qualquer pessoa, sem restrições de faixa etária. Basta dedicar um tempo à busca de informações sobre o tema, e quando da oportunidade, realizar também um curso básico ou orientação com profissionais habilitados e capacitados na área. Importante ressaltar da importância de ter em mãos os telefones dos serviços de emergência e órgãos públicos para cada necessidade, expostos em local de fácil visibilidade ou até mesmo salvo em agendas de telefone.

                    Todos nós estamos susceptíveis a presenciar ou sofrer um acidente diverso. Porém, independente do seu nível de conhecimento em primeiros socorros é de suma importância que a primeira providência a ser tomada seja o acionamento de uma equipe de socorro, antes de qualquer abordagem à vítima de um sinistro. Depois de tomada esta medida, enquanto aguarda a chegada do socorro especializado, a segunda providência é a tranquilização dessa vítima, e, somente se necessário à integridade ou vida da mesma, com segurança e responsabilidade nos seus conhecimentos, efetuar uma intervenção maior, dentro da capacidade individual e noção adequada para tal. São pequenas providências que podem ser decisivas para uma maior chance de sucesso no resgate e uma diminuição dos danos à saúde de quem estiver precisando de ajuda.

Você está pensado em parar de malhar ou praticar atividades físicas porque o termômetro baixou? Basta dar uma “resfriadinha” e seus objetivos podem “ir por água a baixo”? Saiba que todos os benefícios conquistados tanto para saúde quanto para o corpo podem ser perdidos.

Ao deixar de “malhar” por dez dias, começa a haver perda de massa muscular. O problema é causado pela interrupção da produção de enzimas responsáveis pela manutenção ou aumento dos músculos, processo relacionado à musculação.

1)                  Após 15 dias, a capacidade aeróbica diminui. Isso significa menos disposição para trabalhar ou estudar.

2)                 Como o inverno abre o apetite para alimentos mais calóricos, o treino deve ser mantido para que gordurinhas extras não apareçam.

3)                  A prática de exercícios regulariza funções fisiológicas, como sono e apetite, além de tornar o coração menos vulnerável a doenças. A interrupção brusca fragiliza o organismo.

4)                 Se a produção de endorfinas – responsáveis pela sensação de bem-estar e liberadas durante os exercícios aeróbicos – for insuficiente, você poderá se irritar mais facilmente e também ter dificuldades para dormir bem.

5)                 A falta de treino de musculação, prática de esportes, caminhada, corrida e alongamento deixa o corpo mais tenso, dificultando as tarefas mais fáceis do nosso dia-a-dia, como colocar a meia, calçar o tênis, pegar algo no chão ou subir escadarias.

Com tudo isso, ainda pensa em parar de se exercitar? Essa é a hora de por o corpo em movimento, logo virá o verão e você poderá desfilar mostrando o seu corpo “sarado”, e ainda por cima, um corpo muito mais saudável e bem cuidado, preparado e cheio de disposição para enfrentar as altas temperaturas e o ritmo de final de ano.

Acredite nisso. ”Mente sã em corpo são”, esse sim é o grande segredo de uma boa QUALIDADE DE VIDA!

 

Referências:

Howley, E. Manual do Instrutor de Condicionamento Físico para Saúde.

American College of Sports Medicine. Programa de Condicionamento físico da ACSM

Powers, S; Howley, E. Fisiologia do exercício aplicada ao condicionamento e ao desempenho

obseidade.png Também denominada como excesso de peso corporal, aumento do peso corporal, aumento da gordura corporal localizada ou total.

Pode ser denominada como uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada à problemas de saúde, ou seja, que traz prejuízos à saúde do indivíduo, porém muitas pessoas no mundo sofrem com a obesidade em função principalmente da falta de atividade física regular ou maus hábitos alimentares.

Já existe uma série de conhecimentos científicos referentes aos diversos mecanismos pelos quais se ganha peso, demonstrando cada vez mais que essa situação se associa na maioria das vezes, com fatores genéticos, nutricionais e psicológico/emocionais. O excesso de gordura corporal não provoca sinais e sintomas diretos, salvo quando atinge valores extremos. Independente da severidade, o paciente apresenta importantes limitações estéticas, acentuadas pelo padrão atual de beleza, que exige um peso corporal até menor do que o aceitável como normal.

Pacientes obesos apresentam limitações de movimento, tendem a ser contaminados com fungos e outras infecções de pele em suas dobras de gordura, com diversas complicações, podendo ser algumas vezes graves. Além disso, sobrecarregam sua coluna e membros inferiores, apresentando em longo prazo degenerações (artroses) de articulações da coluna, quadril, joelhos e tornozelos, além de doença varicosa superficial e profunda (varizes), podendo comprometer artérias caso haja alta concentração de LDL (low densidy lipoprotein) em circulação no sangue, causando entupimento parcial ou completo da artéria (aterosclerose), o quê ainda pode desencadear um infarto de miocárdio, caso o entupimento seja em uma artéria que irriga o coração, ou à um AVC (acidente vascular cerebral) caso o entupimento seja numa artéria que irrigue o cérebro.

Uma forma de estar acompanhando a sua massa corporal e estar atento aos índices de obesidade e sobrepeso é o acompanhamento através do cálculo de IMC (Índice de Massa Corporal). Calcula-se o IMC dividindo o peso do paciente em quilogramas (Kg) pela sua altura em metros elevada ao quadrado (quadrado de sua altura): Massa Corporal (Kg) / Altura (m) X Altura (m). O valor assim obtido estabelece o diagnóstico da obesidade e caracteriza também os riscos associados conforme apresentado a seguir:

  

    IMC (kg/m2)   Grau de Risco Grau de obesidade
     18 a 24,9     Peso saudável Ausente
     25 a 29,9 
   Moderado

Sobrepeso (Pré-Obesidade)

     30 a 34,9     Alto  Obesidade Grau I
     35 a 39,9    Muito Alto Obesidade Grau II
     40 ou mais    Extremo  Obesidade Grau III (“Mórbida”)

 

Também deve-se atentar para não reduzir seu índice de massa corporal para menos de 18, pois o quadro pode se inverter para desnutrição ou baixo indice de massa, o quê também pode representar riscos à saúde. 

Mas, em adição ao acompanhamento de sua massa corporal através do IMC, busque realizar atividades físicas regularmente. É importante considerar que digo “atividade física” como qualquer movimento corporal produzido por músculos esqueléticos que resulta em gasto energético, ou seja, que exercício é uma atividade física planejada e estruturada com o propósito de melhorar ou manter o condicionamento físico, bem estar pessoal e interpessoal, aliando um ganho positivo interno ao organismo e outras condições alheias a uma qualidade de vida ideal para cada indivíduo. O exercício apresenta uma série de benefícios para o paciente obeso, melhorando o rendimento do tratamento com dieta. Entre os diversos efeitos se incluem:

·         Diminuição do apetite;

·         Aumento da ação da insulina (essencial para diabéticos também);

·         Melhora do perfil de gorduras (redução dos níveis de LDL e aumento do HDL, considerado bom colesterol);

·         Melhora da sensação de bem-estar e auto-estima.

O paciente deve ser orientado a realizar exercícios regulares, pelo menos de 30 a 40 minutos, ao menos 3 vezes por semana, inicialmente leves e a seguir moderados dentro de algumas semanas. Esta atividade, em algumas situações, pode requerer profissional e ambiente especializado, sendo que, na maioria das vezes, a simples recomendação de caminhadas rotineiras já provoca grandes benefícios, estando incluída no que se denomina “mudança do estilo de vida” do paciente.

Porém, antes de sair por aí correndo, pedalando ou praticando exercícios sem estar habituado com a intensidade e a prática, procure um profissional da área da saúde e realize exames de níveis glicêmicos (açúcar no sangue), colesterol total e fragmentado, pressão arterial sistólica e diastólica em repouso sentado e em atividade leve, e caso tenha interesse, peça para que realize a conferência das medidas antropométricas gerais (circunferências e dobras cutâneas), para poder comparar esses resultados iniciais depois de algumas semanas ou meses e acompanhar seu processo de evolução com o treinamento. Isso pode ser um ponto chave para a continuidade da prática de exercícios pelo indivíduo, pois visivelmente através dos resultados colhidos nas amostras o paciente ou aluno terá condições de se auto-avaliar e buscar vencer cada vez mais barreiras que antes o impediam de realizar a(as) atividade(s) do presente.

 

Referências:

PDAMED – Dicionário Digital de Termos Médicos 2007 (pdamed.com.br)

Mapa da saúde do brasileiro – Portal da Saúde – Governo federal (portal.saude.gov.br)

World Health Organization (who.int/en/)

É com grande emoção e prazer que começo a escrever no site sobre aquilo que mais admiro na minha área de atuação: o Movimento Humano.

Já na antiguidade se valorizava e respeitava o culto ao corpo, sendo geralmente por desenhos ou esculturas que se demostravam as diferentes maneiras de expressão corporal e maneiras de movimentar-se, comunicando-se para com o mundo e à cada um que observava sua imagem, de uma maneira diferente.

Ao homem foram concedidas certas diferenças anatomicas e neurofuncionais de grande importância para o seu processo de evolução, constante, de maneira que ele pôde sonhar, visualizar, criar, utilizar, refletir, aperfeiçoar e re-utilizar em prol de beneficio próprio ou alheio.

Este blog tem o objetivo de propor um diálogo com o estudante, profissional e pesquisador das áreas da saúde e do movimento humano, discutindo temas comuns, dúvidas e pareceres acerca do ser humano e suas possibilidades.

Já que iniciei comentando sobre o ato de sonhar,visuaizar, criar e evoluir, convido-os a assistir o vídeo de um violonista chamado Andy Mckee, numa performance em seu próprio estúdio, indo além da compreensão de “domínio das habilidades e capacidades motoras”.

Contribuam, é sempre bem vinda a troca de informações e conhecimentos.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.